Notícias

Apresentação Estudo Setorial Transfronteiriço de Capacidades I+D+i Empresarial em Produtos e Serviços Energéticos – INNOINVEST

Decorreu, na manhã de dia 16 de março, a primeira sessão informativa, organizada pelo NERPOR, no âmbito do projeto Innoinvest. Nesta primeira sessão apresentou-se Estudo do Setorial Transfronteiriço de Capacidades de I+D+i Empresarial em Produtos e Serviços Energéticos em Edifícios. Contou-se com a presença do responsável do estudo o Dr. Jose Alberto Amador Muñoz da Eficae Soluciones

Numa sessão que contou com alguns convidados, o Presidente da Direção do NERPOR, Dr. Jorge Pais, abriu as hostilidades reforçando o papel relevante que os projetos transfronteiriços têm no desenvolvimento, crescimento e incentivo de todo o tecido empresarial do Alto Alentejo. As cooperações entre Espanha e Portugal tem vindo a ser, por isso, fundamentais para alavancar toda a nossa região. Mostrou ainda total disponibilidade e abertura, por parte no Núcleo Empresarial, em prestar todo o tipo de ajuda e esclarecimentos sobre este projeto mas também sobre quaisquer outras necessidades que os empresários da região possam sentir.

Feita esta abertura, o Dr. Jose Alberto Amador Muñoz iniciou a sua apresentação, em espanhol, informando que o estudo foi aplicado a 407 empresas, da zona EUROACE, dos setores dos serviços, do comércio ou mesmo da indústria. Neste estudo foram analisadas as empresas e tentou-se compreender a sua capacidade de inovação e mesmo as barreiras que possam existir. Foi estudado o seu interesse e mesmo a possibilidade de desenvolverem novos produtos, serviços ou processos.

Da região do Alto Alentejo participaram 51 empresas, correspondendo a 13% da amostra total deste estudo. Das empresas portuguesas, representavam cerca de 48%.

Neste estudo a grande percentagem de empresas pertencia aos serviços, tais como construção de edifícios e estradas, instalações elétricas, entre outros. Na sua maioria as empresas analisadas tinham menos de 10 trabalhadores e o seu volume de faturação era inferior a 2 milhões de euros.

Entre outros aspetos foi analisado o conhecimento de materiais inovadores na envolvente térmica, sistemas de frio/calor e armazenamento térmico. Ainda foi estudada a capacidade inovação das empresas e a sua disponibilidade para mudar e melhorar o seu serviço e/ou produto.

Esta sessão terminou com uma sessão de perguntas e respostas. No final, toda esta atividade teve um balanço positivo. Conclui-se que estes estudos são sempre relevantes pois nos permitem analisar, conhecer e melhor apoiar o nosso tecido empresarial. São fundamentais para detetar oportunidades e dinamizar melhores apoios/atividades de forma mais consciente e ajustada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *